Procuradores da República visitaram áreas indígenas

Image

A visita começou pelo acampamento Arroyo Kora
Foto: Amanda Cury

Cinco Procuradores da República visitaram nesta terça feira, 27, três áreas indígenas guarani kaiowa nos municípios de Paranhos e Iguatemi, no sul de Mato Grosso do Sul.

A comitiva ainda teve a presença do antropólogo do Ministério Público Federal, de Dourados, Marcus Homero, da Polícia Federal, de integrantes da organização Advogados sem Fronteiras e de cinco servidores da Funai de Ponta Porã. Os acampamentos Arroyo Kora, Ypo’i e Pyelito Kue, receberam os procuradores, dentre eles, a Sub Procuradora Geral da República, Gilda Carvalho. O objetivo da comitiva foi verificar a situação dos indígenas na região, informada em relatórios através de denúncias feitas pelo MPF. Durante a visita, os indígenas falaram sobre dificuldades relacionadas à saúde, educação e alimentação. Mas o foco principal das conversas foi a questão fundiária e a violência contra indígenas na região.

Image

A indígena Marcia Lopes falou sobrea violenta reação dos latifundiários na última retomada do território
Foto: Amanda Cury

Em Pyelito Kue, os procuradores verificaram a falta de mobilidade dos indígenas, que precisam atravessar o rio Hovy para sair do acampamento e receber assistência alimentícia e de saúde. Além disso, ouviram relatos da violência freqüente no acampamento. A indígena Marcia Lopes falou sobre as ameaças recorrentes e sobre a violenta reação dos latifundiários na última retomada do território, no ano de 2011. Cega, em virtude da explosão da pólvora, ela mostrava a bala de arma de fogo alojada no braço esquerdo enquanto contava a história: “O dono da fazenda mandou pistoleiros para tirar a gente daqui. A ordem era para atirar em todos e quebrar os braços das mulheres. A bala ficou aqui no meu braço e depois eu não consegui mais enxergar. Outras pessoas também ficaram com balas no corpo e, depois de algum tempo, morreram”, disse.

Já em Ypo’i, além das denúncias de ameaça e violência, a comitiva assistiu ao vídeo que mostra as águas do córrego, que leva o mesmo nome do acampamento, cobertas por uma espuma branca espessa. A denúncia de envenenamento do córrego foi feita pelos indígenas há oito dias. Para uma das lideranças do local, Rodolfo Vera, a presença da comitiva nas aldeias é positiva: “Nunca vi um grupo tão grande do Estado aqui. Fico muito feliz com a visita deles, porque estão vendo, com os próprios olhos, nossas dificuldades. Mas nós vamos cobrar os resultados. Tem que melhorar, alguém tem que olhar para a gente”, disse.

O antropólogo do MPF em Dourados, Marcus Homero, disse que a visita dos procuradores é uma oportunidade para que o governo pense num horizonte melhor para os indígenas: “Só pela oportunidade de conhecer, in loco, três áreas que estão em evidência, já valeu a pena. É um momento em que o MPF se une ao Governo Federal para encontrar soluções para a questão fundiária e outras demandas relacionadas aos indígenas”.

Image

“Ter vindo aqui foi muito forte, foi real”, afirmou a Sub Procuradora Geral da República, Gilda Carvalho.
Foto: Amanda Cury

A Sub Procuradora Geral da República, Gilda Carvalho, disse que o que viu nas áreas indígenas condiz com os relatórios: “É uma comunidade muito carente de tudo, de saúde, de mobilidade, de segurança. E mesmo com todas essas dificuldades, os indígenas resistem de forma pacífica. Eu estudei os relatórios, mas ter vindo aqui foi muito forte, foi real”, afirmou.

Anúncios
por funaipontapora

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s