Lideranças indígenas se reuniram na aldeia de Sombrerito

Image

Cerca de 300 pessoas participaram da Aty Guasu Feminina.
Foto: Amanda Cury

A Aty Guasu Kuña, ou Grande Assembléia Feminina Indígena, reuniu cerca de 300 pessoas na aldeia de Sombrerito, no município de Sete Quedas, MS, entre os dias 03 e 07 desse mês.

Lideranças, educadoras, agentes de saúde e rezadoras participaram de palestras, plenárias e debates sobre temas que envolvem, principalmente, a participação da mulher na comunidade indígena. Temas como “A luta pela terra”, “Saúde e direitos da mulher indígena” e “Políticas Públicas” foram abordados durante os cinco dias do evento. Rituais espirituais e danças marcaram a tradição indígena na assembléia.

Lideranças masculinas e da Aty Guasu Jovem também participaram do evento, que teve apoio da Funai de Brasília, de Ponta Porã e de Dourados, além da presença da Força Nacional, da Polícia Federal e de organizações não governamentais. “Esse evento é Kuñangue Guarani Há Kaiowa Aty Guasu Irundyha, que significa que é feito pelas mulheres, mas é aberto à participação de todos, para fortalecer nossa comunidade. Nós, mulheres, queremos o melhor para nossos filhos e nosso povo. Por isso estamos aqui, reunidas. Antes os homens não deixavam a gente falar na Aty Guasu, mas agora é diferente. Antes faltava coragem para enfrentar o marido. Agora nós, mulheres, falamos e lutamos junto com nossos maridos e assim, somos mais fortes”, explicou a indígena Alda Silva.

Image

Indígenas rezaram e protestaram pelos paretes mortos na luta pela terra.
Foto: Amanda Cury

No dia 06 representantes da Funai participaram da plenária informando sobre programas de sustentabilidade e os GTs, Grupos de Trabalho, que estão no cone sul do estado para terminar os trabalhos de identificação e delimitação de Terras Indígenas. No mesmo dia, um documento foi elaborado com os resultados das discussões e reivindicações das comunidades indígenas. Além disso, rezadores reuniram os participantes em torno do local onde o indígena Dorival Benites foi assassinado durante a retomada da área no ano de 2005. Diante da cruz que marca a morte de Benites, os indígenas rezaram e protestaram contra as mortes de seus parentes. O menor de idade que morreu atropelado no município de Dourados no mês passado e o adolescente que foi morto em Laguna Caarapã, por um produtor rural no mês de fevereiro, também foram lembrados com tristeza: “Vocês já viram uma cruz como esta em fazenda? Não, porque nunca o índio matou o fazendeiro. Mas o guarani kaiowa tem uma cruz dessa em cada acampamento, porque nosso sangue escorre por essa terra sem que ninguém faça nada”, disseram os rezadores.

Anúncios
por funaipontapora

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s